formatura

Ano da Formatura

Mesmo tendo uma memória peculiar, lembro em partes do dia da formatura da minha irmã. Aliás, a única memória que eu tenho era de usar um vestido rosinha e ficar colada na minha irmã a noite toda. Nada fora do comum, sempre fui o chiclete da Nanda e aquele dia foi super importante pra mim, afinal, eu era “parte” da turma de amigos dela.

Desde o primário lembro de turmas se formando lá na escola e como eram “gente grande”. Nesse meio tempo pensei em ser tanta coisa, mil planos para sair da escola, tantas fases se passaram. É incrível como cada ano é determinante para a formação de nós mesmos. A Rafa de 10 anos é diferente da de 11, e quem dirá a comparação entre 10 e 16 anos. Teve fase do Justin Bieber, do Rock n’ Roll, do pop, da franjinha, e outras diversas que me fazem por completa hoje. Sem falar das amizades que foram e das novas que surgiram.

Agora estou aqui, no terceiro ano do ensino médio, nem com altura de “gente grande”. É como se fosse uma montanha. A cada ano que passava eu subia de pouquinho em pouquinho, mas agora chegou o último ano. Tudo tão incerto. Cheguei no topo da montanha e posso subir mais ainda, ou pior, cair em um precipício. Eu me preparei a vida escolar toda para esse momento. Todo estudo teve como base um objetivo: a faculdade. E agora? Tudo numa boa (mentira 3, 2, 1 PIRANDO). 

Viramos robozinhos de fazer ENEM e milhares de questões de vestibulares todas as semanas. Ok, tudo tem seu motivo. Mas e se eu não tiver certeza do que fazer nesse ano? Como eu disse, estamos em constante fase de mudança, ou seja, se a Rafa de 10 queria fazer medicina veterinária, a de 11 direito, de 12 letras, 13 medicina, 14 queria vender miçanga, 15 jornalismo e agora de 16, relações internacionais, quem sabe o que o futuro vai resolver fazer de mim? Somos tão jovens e temos nosso próprio tempo.

Como se fosse “High School Musical 3: Ano da Formatura”, esse é o ano do grande “jogo”. Um salve para quem participou de alguma forma em alguma dessas etapas.

AMO!, formatura

Agora só falta…

Tá. Não falta uma coisa só. A lista é grande. Vestido, preparativos da janta, festa. Pensando ainda mais próximo: banca, acabar a mono, finalizar as disciplinas da faculdades. Mas enfim. A trilha para a formatura não falta mais. Está escolhida.
No dia 29 de janeiro de 2010 vou pegar meu diploma ao som de Rita Lee. Exatamente. Pensei em mil sugestões, porém optei pelo clássico rock brasileiro. Minha diva de cabelos vermelhos. E a música vai ser… tã nã nã… Agora só falta você!

Eu era pequeno demais (só doze aninhos…) para saber o que queria fazer da vida, mas sabia que queria um dia poder cantar os versos “um belo dia eu resolvi mudar/ e fazer tudo que eu queria fazer” como se estivesse falando da minha história pessoal. Já nos anos 80, lembro de ir aos shows de Rita e rezar para que ela cantasse essa música. E, quando isso acontecia, eu, claro, ia às alturas! Em toda a sua carreira, tive vários motivos para adorá-la […], mas nada que supere a beleza da liberdade sugerida em “Agora só falta você”. No ar que eu respiro, eu sinto prazer – e nem preciso de aspas para citar isso. Certo, Rita?

(Zeca Camargo – De a-ha a U2)

É essa liberdade que sinto a cada vez que a escuto. Além disso, remete a quem sou, minha autonomia, independência, tudo que já conquistei.
Aqui está, então. Com vocês… a musa!

“Pra lhe dizer que aquele sonho cresceu…”