Observações, Sem-categoria

Montanha Russa, Roda Gigante e Pula Pula

A vida não é um parque de diversões (uau, grande reflexão). Acredito que muitos tem o que eu chamo de cérebro “pula pula”, inclusive eu. É quando as ideias surgem do nada e precisamos muito fazê-las e coloca-las em prática, ou quando simplesmente somos iluminados por uma fonte de força de vontade. Não existe o depois nesses momentos, é na hora que as coisas precisam acontecer e logo. O que eu aprendi, muito mais na marra, é que no meio dessa inquietação toda, falta calma nessa vida montanha russa. Chamo assim por dar um friozinho na barriga na subida, e do nada, no seu auge, despenca. Subidas e descidas, no final queremos repetir a dose da diversão. Mas afinal, dentro desse parque de diversões, qual vai ser o seu legado nesse mundo roda gigante?

Somos frutos do meio em que vivemos, cada ação, por mais pequena que seja, trará resultados, podendo ser positivo ou ainda negativo. Esse é justamente o motivo da preocupação de como deixaremos o mundo, a nossa herança. Toda batalha que enfrentamos para ver justiça e mudanças no mundo valerá a pena para gerações futuras,

“todo o incômodo é aprazível quando termina em legado”- Machado de Assis.

É muito provável que escutamos muito mais notícias desanimadoras, como corrupção, desmatamento, violência, desastres, do que notícias sobre pequenos gestos. No meio de tudo isso temos ideias brilhantes e pessoas transformando o lugar onde vivem, só que não ganham tanto destaque. Dentro de cada um existe um ideal revolucionário esperando para ser colocado em prática. Como Rousseau afirmava, “nascemos bons e a sociedade nos corrompe”, mas podemos complementar esse pensamento dizendo que podemos nos “resgatar” com boas ações, e ainda, podemos construir uma sociedade que ao contrário de corromper, acrescenta virtudes e valores.

Diferente do que imaginamos, enquanto existe poucos matando, existe muitos ajudando em doações, poucos entrando no tráfico de drogas, mas muitos entrando em organizações comunitárias, ou seja, ainda existe uma esperança em transformar os casos de violência e desastres gerais, minorias dentre tantas ações feitas para restaurar o lugar em que vivemos. A chance que temos de deixar legados ruins são grandes, porém alteráveis e isso basta para iluminarmos os nossos ideais revolucionários.

Quando sentir e o cérebro “pula pula” impulsionar, apenas se jogue. É maravilhoso sentir um friozinho na barriga

11651106_821299687968293_280483571_n

Anúncios
Eu por eu mesma, Just me, Londres, Observações, Saudades de Venâncio

Balanço de 3 meses

Nossa! Já se passaram 3 meses desde que eu cheguei em Londres. Muita coisa aconteceu neste período e minha vida deu mil e uma voltas em torno do céu e do inferno.

O primeiro dia foi meio chocante. Lembro que eu e a Paula passamos o maior sufoco para carregar as malas por meia quadra. Chegamos na porta preta do número 477 da High Road um tanto desconfiadas e nervosas. Logo o Danilo e o Fernando desceram para nos ajudar com as coisas. Quem diria que 3 meses depois eles seriam praticamente parte de uma nova família que criamos, a nossa querida família do “gueto”.

Mas foi justo o gueto que nos decepcionou no primeiro momento. Moramos em Tottenham, bairro da zona 3 de Londres (a cidade é dividida em anéis ao redor do centro e cada anel corresponde a uma zona; a região central é a zona 1 e os números aumentam conforme os bairros se afastam do miolo). O local é repleto de indianos. Tanto o jeito de falar inglês (com um sotaque pesado) quanto o modo grosseiro e desconfiado nos deixou assustadas no início. O primeiro pensamento que nos ocorreu: temos que fugir daqui.

No entanto, uma semana foi o suficiente para tudo mudar. Começamos a nos aproximar dos meninos da casa e eles passaram a ser o principal motivo para não deixarmos o gueto. Hoje estamos bem acomodadas e chamamos o flat de “nossa casa”.

Por falar em meninos, bem… eu conheci o Fábio. Nossa história começou entre conversas descomprometidas na cozinha. Um capítulo especial na minha história em Londres. Provavelmente um capítulo que vai se extender até o Brasil e que deve render um livro a parte.

Pensando no Brasil eu lembro de saudade… A saudade que começou forte, já foi diminuindo e agora toma conta de mim a cada lembrança. Tenho que controlar o playlist para evitar provocar a memória.

Atualmente tenho 3 empregos (sim!) e já consigo me manter com o que ganho. No entanto, o custo de vida em Londres é alto e até alcançar a estabilidade foi complicado.

É frustrante ter o mundo ao seus pés e não poder aproveitar plenamente todas as oportunidades que aparecem. Todo fim de semana têm shows fantásticos, espetáculos, estreias no cinema. Isso sem falar na quantidade de cidades maravilhosas que gostaria de conhecer na Inglaterra e os outros países que quero visitar na Europa. Entretanto… tudo se resume ao dinheiro. Então… é preciso planejar e ter paciência.

Sobre minha habilidade com o inglês, ponto principal desta viagem, já apresento evoluções importantes. Na escola estou no nível upper-intermediate e devo trocar de turma no início de agosto para a preparação para o IELTS, prova de proficiência.

Percebo que no dia-a-dia consigo me expressar com uma certa facilidade. Melhorei bastante a minha capacidade de ouvir e ler em inglês. Minha maior dificuldade ainda é falar ao telefone, pois dependendo do sotaque da pessoa fica bem complicado.

Em linhas gerais é isso… Estou vivendo um dia por vez e tentando aproveitar o melhor que Londres oferece. A saudade do Brasil e da minha vida em Porto Alegre (com todas as pessoas que fazem parte dela) é muita, porém tento pensar em tudo que estou aprendendo. No momento não tenho muitas certezas sobre esta experiência. Mas por enquanto posso afirmar: so far, so good.

Londres, Observações

Trooping the Colour

Escrevo com notícias de um fim de semana super britânico! Fui no evento Trooping the Colour, o desfile de comemoração do aniversário da Rainha Elizabeth II.

O nascimento da Sua Majestade foi no dia 21 abril, porém as celebrações acontecem em junho. Tudo começa com o desfile dos famosos “guardinhas londrinos”. Depois, a família real deixa o Palácio de Buckingham de carruagem e segue pela avenida The Mall até a casa da guarda para a inspeção dos militares.

Em seguida todos retornam para o Palácio para o encerramento com o show de uma espécie de “esquadrilha da fumaça”. Muitos turistas acompanham o evento que é extremamente organizado e pontual. Confiram algumas fotos =)


AMO!, Blush, Bye Brazil, Eu por eu mesma, Just me, Londres, Observações

Blush*

Amizade é algo engraçado. Foge das definições. Não percorre os limites.
Eu achava que os grandes amigos da minha vida já estavam escolhidos. Que seriam os mesmos, sempre lá guardadinhos na minha estante. Aqueles de Venâncio, de longa data, do colégio, da infância. Afinal, assim seria até mais prático. Já conhecia todos os defeitos, sabia o que esperar ou o que não esperar de cada um. Tinha manual de instruções para rápidas consultas.
Contudo, a história teve outro rumo. Na faculdade conheci as mimosas que hoje considero eternas. As Blush girls que me conquistaram.
O Blush “nasceu” na Radiofam, rádio da Famecos. A ideia era um programa informal, de bate papo entre meninas. Mas a coisa foi crescendo. Não o programa, mas a amizade entre as ladies que sentavam duas vezes por semana no estúdio para lançar altas teorias sobre tudo que era assunto.
E o nome para o grupinho ficou, mesmo depois da gente abandonar a Radiofam.
Agora deixamos também a Famecos, mas o que existe entre nós de jeito nenhum!

*

A Giulinha Beauty sempre foi a figura que só quem conhece sabe. Uma madame de primeira catiguria! A oncinha girl em pessoa.
A Bruka é um agito só. Total alto astral, bom humor. Ela sabe que comigo a regra é mais e nunca se engana no que esperar de mim.
A Jú sempre foi louca, alienada, esquecida. Ela que alimentou na gente #Londonfeelings. Agora estamos de malas prontas para ir encontrar a maluca pelo mundo.
A Paula é quase o meu oposto. O que tenho de doida ela tem de moderada. Contida. Chega a ser tímida. Apesar disso, é uma pessoa de personalidade forte, virtudes marcantes. E é quem vai ter que me balancear na viagem. Segurar as pontas…

*

Ontem tivemos um encontro Blush. Reduzido, apenas eu, Bruka e Paula. Giulia está em Erechim, nos enchendo de orgulho. Jú está aprontando em Londres.

*

Tá. Tudo isso é para dizer que eu amo cada uma dessas criaturas. Giulia, brilha muito aqui. Bruka, vamos esperar a tua visita. Jú e Paula, Londres é nossa!

*





Eu por eu mesma, Jornalismo, Just me, Monografia, Mundo jornalístico, Observações, Radioweb, Record

Retrô!

O ano de 2009 foi abençoado. Um período de conquistas. Também foi complicado, difícil. Mas dei a volta por cima. E aqui estou: formada, apaixonada e cheia de planos.
Tudo começou em uma redação. Plantão cruel. Das 18hrs do dia 31 até às 6hrs do dia 1º. Eu e o Paulo, querido porteiro da Record, na TV. Em Porto Alegre a equipe do amado vizinho Olegário. Em Tramandaí o Bernardo.
Na verdade o trabalho foi o que mais marcou neste ano. Completamente intenso. Dediquei-me por completo. Quando percebi que estava no meu limite não aguentei e pedi demissão.
Sou assim, não gosto de fazer nada pela metade. Deixei a TV e mergulhei na monografia. Foram muitas e muitas horas de leitura e no computador. Ouvir a trilha do Jornal Nacional ou do Jornal da Record era sinônimo de sentar e escrever. Fico feliz de ter tido êxito e de ter feito um ótimo trabalho de conclusão.
Durante o TCC conheci o que é sentir dor. Uma dor limitadora. Uma dor que faz o corpo parar mesmo com a cabeça a mil. A tendinite tentou me derrubar. Foram necessárias muitas manhãs na fisioterapia para suportar e conseguir terminar a mono. Sem falar nas bolsas de gelo…
O ano marcou também um novo momento. Comecei a trabalhar na Radioweb. Conheci profissionais e colegas incríveis. Descobri-me repórter. Na verdade… aprendi a ser repórter. Senti viva a paixão pela profissão que escolhi para a minha vida.
E em 2009 eu amei. Ao extremo. Como ele diz, eu deixei as emoções invadirem o peito, sem medo. Passamos por muitas fases. Chorei, sofri, me escabelei. Porém, fico feliz de terminar dezembro de coração aberto, feliz. Nada como estar apaixonada e saber lidar com esse amor. Pois agora eu aprendi.

Deixo então meus sinceros votos de felicidade para 2010. Que meus familiares e amigos tenham saúde e força de vontade. O resto fica por conta de cada um!

E que venha London, baby!

Jornalismo, Monografia, Observações

10 dicas para fazer uma monografia em 10 dias

1 – Prepare litros e litros de café.
2 – Tenha sempre gelo no congelador para colocar nos ombros/cotovelos doloridos de tanto digitar.
3 – Esconda chocolates pela casa para os momentos de pânico.
4 – Avise seu orientador e amigos próximos sobre a possibilidade de (muitas!) ligações desesperadas repetindo: “Eu odeio a ABNT” e/ou “Eu vou me matar”.
5 – Cancele todos, eu disse TODOS, os seus compromissos. Mantenha apenas tarefas rápidas para distração, como ir ao supermercado, farmácia, etc.
6 – Não tenha disponível nenhum episódio inédito de nenhuma das suas séries favoritas. Além disso, esqueça a locadora.
7 – Separe pelo menos três almofadas para experimentar diversas posições ao longo das maratonas na frente do computador.
8 – Coca. Muita coca (o calor torna o café enjoativo já nos primeiros dias).
9 – Compre um bloco de post-it da cor mais berrante que tiver na gráfica/papelaria. Sugiro rosa-mega-ultra-pink. Ele não te deixa pegar no sono em cima dos livros.
10 – Cole o bumbum no sofá/na cadeira e escreva. Escreva. Escreva. Até ter vontade de arrancar o braço fora, vomitar teorias e colocar fogo nos livros.

Yes, we can.