Jornalismo

O venâncio-airense que tocou com Elis Regina e Roberto Carlos

Se tem uma coisa que não falta na vida de Cleomar Claudino Becker, de 75 anos, é história da música brasileira. O venâncio-airense mais conhecido como Maninho tocou um grandes nomes, como Elis Regina e Roberto Carlos. Além disso, conviveu com os músicos Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves.

Maninho nasceu na Capital Nacional do Chimarrão, mas aos 11 anos mudou-se com a família. Ele conta que o pai era escrivão e tinha um cartório em Vila Mariante. “Só que ele tirou a tal da sorte grande e foi comprar um armazém em Porto Alegre”, comenta.

Na nova cidade o jovem conheceu a música através de amigos e vizinhos. “Eles saíam à noite com cavaquinho e coisinha e aquilo começou a me soar tão bem”, destaca. Foi uma paixão imediata. “Até hoje a minha alma é alimentada pela música. Música é a minha vida”, enfatiza.

Com 12 anos Maninho já era percussionista. Alguns anos depois seu caminho se cruzou com o de Elis Regina, na época com 11 anos. “Eu fui na rádio com um vizinho que ia fazer um teste e não quis ir sozinho”, explica, referindo-se a Rádio Farroupilha. O músico relata que chegou na sala de ensaio e o chamaram para fazer o pandeiro, pois um artista tinha faltado. Ele aceitou e acabou sendo convidado para retornar no próximo fim de semana.

“Semana seguinte apareceu lá uma garota, meio cambotinha, com a sua mãe”, declara. A garota citada por Maninho era Elis, que começava a se apresentar no Clube do Guri, programa apresentado por Ary Rego.

Uma das primeiras histórias que o músico lembra da cantora é deste período. “Na rádio não se ganhava dinheiro nem para o bonde. Aí chegou um cara do Rio de Janeiro, ou de São Paulo, um cara cabeludo. Ele disse: quem é Elis Regina? Ela respondeu: sou eu”, conta. Maninho continua: “O homem perguntou quanto ela ganhava e disse que não importava quanto fosse pagaria o dobro. Daí a mãe de Elis respondeu: então minha filha vai ganhar duas vezes nada”.

Depois do ocorrido o homem fez o pagamento para que Elis fosse para o eixo Rio-São Paulo se apresentar. Maninho salienta: “Então tirou um cheque lá, não sei quanto era, mas devia ser um valor fantástico”. Ele acrescenta: “Quando viram que ela ia sair ofereceram uma televisão, que a recém tava chegando, e um toca discos, porém não adiantou”.

Depois que Elis deixou o Rio Grande do Sul Maninho voltou a tocar com ela, a pedido da cantora. Eles foram parceiros na música por cerca de seis anos. Entre as lembranças que o venâncio-airense tem da artista estão traços da personalidade forte: “Uma guria muito nova, tímida, dócil, que tinha muita saudade dos amigos que conheceu na Vila IAPI, em Porto Alegre. Porém também tinha o outro lado, o exigente, explosivo. Ela era muito exigente na música, dava trabalho, mas um trabalho no bom sentido”. Ele se emociona: “Conversar isto dá uma emoção tremenda”. Maninho também recorda da mãe de Elis, que estava sempre presente. “A mãe dela a acompanhou até o fim, até no banheiro ia junto e ficava na porta. Que mãe fantástica”, comenta.

No caminho da música Maninho também compartilhou o mesmo palco que Roberto Carlos. “A gente ia esperá-lo no aeroporto e não tinha ninguém ao redor. Nem ele sabia que ia ser o Roberto”. Eles tocaram juntos três vezes e o artista de Venâncio confidencia uma das manias de Roberto. “Ele tinha o costume de comer só o miolo do pão”, relata.

Atualmente, Maninho mora em Porto Alegre, no entanto, mantém os laços com a terra natal. Ele possui um sítio na Capital Nacional do Chimarrão e frequentemente se apresenta na cidade, em shows para os amigos ou instituições. Neto de Jacob Becker, que dá nome a rua do município, é casado com Ida e pai de dois filhos, Marisa e Maurício.

Foto: Alvaro Pegoraro

Anúncios
fotos

Brinquedo novo

Meu novo brinquedinho virtual: Flickr.
Confiram >>> http://www.flickr.com/photos/nandaetges

Já estão lá as fotos da competição de kart entre os amigos do Gela Goela e da CCN, em Venâncio Aires. Abaixo uma pequena amostra:



Eu por eu mesma

Minha vida nos últimos 120 dias

120 tópicos que falam um pouquinho do que aconteceu. Não necessariamente na ordem abaixo.

1 – Troquei de turma no inglês.
2 – Visitei o Museu Victoria & Albert, em Londres.
3 – Ganhei uma câmera da Nikon (!).
4 – Tomei a última pint de cerveja com a Jú antes dela voltar de Londres.
5 – Conheci Páriiii!
6 – Visitei o Louvre e me decepcionei com a dona Mona.
7 – Quase perdi as pernas subindo até a Sacré Coeur.
8 – Naveguei pelo Sena.
9 – Descobri que estava grávida.
10 – Fiquei desesperada por estar grávida.
11 – Busquei o Marcus no aeroporto.
12 – Levei o Marcus pro gueto.
13 – Levei o Marcus numa centena de lugares.
14 – Alugamos um carro.
15 – Voltamos para Liverpool.
16 – Voltamos no The Cavern.
17 – Conheci o estádio do Liverpool.
18 – Fomos para Manchester.
19 – Comecei a ficar enjoada.
20 – Dei um Bis para um esquilo.
21 – Assisti uma peça no Shakespeare Globe.
22 – Não entendi quase nada da peça do Shakespeare Globe.
23 – Entrei no Palácio de Buckingham.
24 – Fiz pose no jardim da Rainha.
25 – Conheci a Abbey Road.
26 – Tirei foto atravessando a faixa de segurança.
27 – Assinei no muro do estúdio Abbey Road.
28 – Levei o Marcus no aeroporto.
29 – Esperei o Papa chegar no Hyde Park.
30 – Comecei o pré-natal.
31 – Vi meu bebê pela primeira vez no ultrassom.
32 – Participei de um churrasco na laje.
33 – Conheci o famoso bairro de Notting Hill.
34 – Fui na feira de Portobello Road.
35 – Pedi demissão.
36 – Comprei presentes.
37 – Senti o início do frio londrino.
38 – Revelei fotos.
39 – Comi a melhor pizza de palmito de Londres.
40 – Tive desejo.
41 – Comi comida brasileira (over and over again).
42 – Comprei mais presentes.
43 – Continuei enjoando.
44 – Embarquei para Lisboa.
45 – Ri do sotaque português.
46 – Comi bacalhau no bar do seu Antônio.
47 – Andei de bondinho em Portugal.
48 – Conheci o Castelo de Santo Antônio.
49 – Vi peixinhos de todas as cores no Oceanário.
50 – Andei de teleférico no Parque das Nações.
51 – Conheci o lugar da onde partiram as caravelas portuguesas.
52 – Parei de enjoar.
53 – Comecei a ter dor nas costas.
54 – Tirei muitas fotos.
55 – Achei uma churrascaria gaúcha em Lisboa.
56 – Carreguei malas mega pesadas.
57 – Organizei fotos.
58 – Comprei uma filmadora.
59 – Cansei de aeroporto.
60 – Embarquei para Madri depois de muitos atrasos no voo.
61 – Fui furtada em Madri.
62 – Odiei a Espanha.
63 – Encontrei a Aline.
64 – Comi no 100 montaditos.
65 – Tirei uma foto digna de National Geographic no Templo de Debod.
66 – Tive saudade da comida da mamãe.
67 – Matei a saudade da Elisa e da Laura, amigas espanholas.
68 – Desejei estar no Brasil.
69 – Deixei de odiar a Espanha.
70 – Fiz um boletim de ocorrência em inglês e me enrolei muitoooo!
71 – Voei para Itália.
72 – Demorei anos para achar o hostel em Roma.
73 – Fiquei impressionada quando vi o Coliseu.
74 – Cansei de tanto caminhar.
75 – Estudei para o IELTS.
76 – Fiquei sem dinheiro em Roma.
77 – Fui para Holanda.
78 – Paguei 10 euros por um cartão telefônico em Amsterdã.
79 – Fiquei impressionada com a quantidade de bicicletas na Holanda.
80 – Dormi no aeroporto.
81 – Desejei estar em Londres.
82 – Voltei para Londres depois de 10 dias pela Europa.
83 – Dormi 15 horas para me recuperar da viagem.
84 – Levei o Fábio no aeroporto.
85 – Fiquei longe do Fábio no aniversário dele.
86 – Senti saudades do Fábio.
87 – Fechei as malas.
88- Abri as malas para arrumar tudo de novo.
89 – Fui bem na prova do IELTS.
90 – Tirei coisas das malas.
91 – Fechei as malas pela última vez.
92 – Voltei para o Brasil.
93 – Mostrei fotos.
94 – Matei a saudade da família.
95 – Dei presentes.
96 – Comi um xis do Ilgo.
97 – Fui para SP.
98 – Senti calor em SP.
99 – Engordei demais.
100 – Fiz um segundo ultrasom.
101 – Aluguei um apartamento em Venâncio.
102 – Cansei de mudança.
103 – Cansei de faxina.
104 – Ganhei uma planta.
105 – Mantive a planta viva.
106 – Conheci a 25 de Março.
107 – Deixei o apartamento em ordem.
108 – Coloquei luzinhas de Natal na sacada.
109 – Comi galinhada na Bierchopp Fest.
110 – Descobri uma anemia e uma infecção urinária.
111 – Voltei para Venâncio.
112 – Recomecei a olhar Friends (pela enésima vez).
113 – Ganhei um chá de panela.
114 – Entrei em um grupo de gestantes.
115 – Levei a Rafa, a Paula, a Jú e o Fábio para passear no interior de Venâncio.
116 – Fui em muitas festas de família.
117 – Mostrei o centro de Porto Alegre para o Fábio.
118 – Viciei em Guitar Hero.
119 – Senti o bebê mexer.
120 – Desejei que 2011 seja um ano tão maravilhoso quanto foi 2010.

Família

Saudade

Já coloquei essa música aqui no blog, mas no dia de hoje acordei com ela na cabeça. Além disso, é a trilha ideal para o dia. Feliz dia dos Pais, meu pai.

“Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
E ensaiava o rock para as matinês

(…)

Agora era fatal
Que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá deste quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim?”

AMO!, Bye Brazil, Londres, Meu Porto Alegre, Saudades de Venâncio, tempo

2 meses

Quando menos se espera tudo acaba.
Quando a noite completa o mundo desaba.

Só mais 2 meses pra sentir o cheiro de Venâncio, abraçar a Rafa até o corpo cansar, correr até a Preta, ouvir a mãe gritar, mostrar para o Caio as fotos da viagem, receber um abraço doído de mágoa do pai, cheirar a nega-maluca da vó Ica, contar sobre os lugares que conheci pro vô Adão, entregar os presentes do Arthurzinho, me encaixar nos braços da vó Tila, jogar conversa fora com a tia Bi, sair com o Muca e a Grê, fazer nada com a Édina, a Laura W. e a Di, beber com a Laura S. e com a Camila, ir pro Beco com o Marcus e Cia., jantar e fofocar com a Aline R. e com a Raquel, visitar a Radioweb, tomar café na Famecos. Só mais 2 meses…

Bye Brazil, Eu por eu mesma, Just me, Londres

Sentidos

Acordei com vontade de tocar hoje. Encostar. Sentir. Estar perto. Encaixar os braços em um abraço.
Vontade de exercitar a visão. Enxergar. Notar cada detalhe do rosto de quem eu amo. Ver as marcas da idade na pele.
Queria também ouvir os ruídos da minha casa. Os latidos no jardim. A TV alta na sala.
Meu corpo clama pelos cheiros conhecidos. O churrasco de domingo do vô. A comida da mãe. A grama molhada. A roupa bem lavada.
Preciso sentir os gostos de sempre. Do chimarrão de sempre. Dos beijos de sempre.

É, definitivamente senti saudade.

Coisas que me incomodam

O bloco do eu sozinho

Não sou rabugenta.
Mas sério.

*

Certas coisas passam dos limites.

*

Cenário: Carnaval de rua de Venâncio.
As pessoas extrapolam.
Lixo no chão.
Desrespeito.
Necessidade de aparecer.
O império da vulgaridade.

*

Por isso fico no bloco do eu sozinho.
Imagina se eu fosse rabugenta.