Eu por eu mesma, Just me, Londres, Observações, Saudades de Venâncio

Balanço de 3 meses

Nossa! Já se passaram 3 meses desde que eu cheguei em Londres. Muita coisa aconteceu neste período e minha vida deu mil e uma voltas em torno do céu e do inferno.

O primeiro dia foi meio chocante. Lembro que eu e a Paula passamos o maior sufoco para carregar as malas por meia quadra. Chegamos na porta preta do número 477 da High Road um tanto desconfiadas e nervosas. Logo o Danilo e o Fernando desceram para nos ajudar com as coisas. Quem diria que 3 meses depois eles seriam praticamente parte de uma nova família que criamos, a nossa querida família do “gueto”.

Mas foi justo o gueto que nos decepcionou no primeiro momento. Moramos em Tottenham, bairro da zona 3 de Londres (a cidade é dividida em anéis ao redor do centro e cada anel corresponde a uma zona; a região central é a zona 1 e os números aumentam conforme os bairros se afastam do miolo). O local é repleto de indianos. Tanto o jeito de falar inglês (com um sotaque pesado) quanto o modo grosseiro e desconfiado nos deixou assustadas no início. O primeiro pensamento que nos ocorreu: temos que fugir daqui.

No entanto, uma semana foi o suficiente para tudo mudar. Começamos a nos aproximar dos meninos da casa e eles passaram a ser o principal motivo para não deixarmos o gueto. Hoje estamos bem acomodadas e chamamos o flat de “nossa casa”.

Por falar em meninos, bem… eu conheci o Fábio. Nossa história começou entre conversas descomprometidas na cozinha. Um capítulo especial na minha história em Londres. Provavelmente um capítulo que vai se extender até o Brasil e que deve render um livro a parte.

Pensando no Brasil eu lembro de saudade… A saudade que começou forte, já foi diminuindo e agora toma conta de mim a cada lembrança. Tenho que controlar o playlist para evitar provocar a memória.

Atualmente tenho 3 empregos (sim!) e já consigo me manter com o que ganho. No entanto, o custo de vida em Londres é alto e até alcançar a estabilidade foi complicado.

É frustrante ter o mundo ao seus pés e não poder aproveitar plenamente todas as oportunidades que aparecem. Todo fim de semana têm shows fantásticos, espetáculos, estreias no cinema. Isso sem falar na quantidade de cidades maravilhosas que gostaria de conhecer na Inglaterra e os outros países que quero visitar na Europa. Entretanto… tudo se resume ao dinheiro. Então… é preciso planejar e ter paciência.

Sobre minha habilidade com o inglês, ponto principal desta viagem, já apresento evoluções importantes. Na escola estou no nível upper-intermediate e devo trocar de turma no início de agosto para a preparação para o IELTS, prova de proficiência.

Percebo que no dia-a-dia consigo me expressar com uma certa facilidade. Melhorei bastante a minha capacidade de ouvir e ler em inglês. Minha maior dificuldade ainda é falar ao telefone, pois dependendo do sotaque da pessoa fica bem complicado.

Em linhas gerais é isso… Estou vivendo um dia por vez e tentando aproveitar o melhor que Londres oferece. A saudade do Brasil e da minha vida em Porto Alegre (com todas as pessoas que fazem parte dela) é muita, porém tento pensar em tudo que estou aprendendo. No momento não tenho muitas certezas sobre esta experiência. Mas por enquanto posso afirmar: so far, so good.

Anúncios
Brazilian News, Jornalismo

Música brasileira e portuguesa para encantar Londres

* Matéria publicada no jornal londrino Brazilian News. Feita por mim =)

Vinicius Cantuária apresenta-se na próxima semana no Barbican Hall, em Londres. O artista brasileiro sobre ao palco com o português Rodrigo Leão e Cinema Ensamble, na terça-feira, dia 25 de maio.

Vinicius é cantor, compositor, guitarrista e percussionista. Seu trabalho conecta diversas áreas da música, através do jazz e da Música Popular Brasileira – MPB. O repertório vai desde Jobim até Gilberto Gil.

Grande parte da sua carreira foi como integrante da banda de rock O Terço. O grupo surgiu em 1968 e tinha na formação original Jorge Amiden na guitarra, Sérgio Hinds no baixo e Cantuária na bateria.

As músicas de Cantuária reproduzem-se em vozes importantes. Um dos destaques é “Lua e Estrela”, escrita para Caetano Veloso, em 1981. Outra gravação de sucesso foi da música “Só Você”, reproduzida por Fábio Júnior, que vendeu mais de dois milhões de cópias no Brasil.

O músico é natural de Manaus, mas morou praticamente durante toda vida no Rio de Janeiro. Na capital carioca Cantuária viveu sua juventude e importantes momentos profissionais. Em 1995, mudou-se para Nova York, onde montou um estúdio para desenvolver a sua prática musical.

Seu último trabalho é “Cymbals”. O álbum foi gravado nos Estados Unidos e agora está sendo sendo divulgado na Europa.

Rodrigo Leão, parceiro de Cantuária na turnê por países europeus, possui uma carreira tão singular quanto a do artista brasileiro. Leão é português e figura importante no cenário musical do seu país.

Ele foi integrante do grupo Sétima Legião, que surgiu em 1982. A banda foi fundamental na revitalização da música portuguesa da década de 1980. O trabalho com Pedro Oliveira e Nuno Cruz proporcionou ainda desenvolvimento individual para o artista.

Seu trabalho seguinte foi com a banda Madredeus, com quem gravou 5 álbuns e fez sucesso internacional. Mesmo assim, Leão optou pela carreira solo, que começou a ser projetada em 1993.

Seu trabalho atual chama-se “A Mãe” e tem a parceria do Cinema Ensemble, que conta com Celina da Piedade, Vieira Ana, Viviena Tupikova, Marco Pereira, Bruno Silva, Luís Aires e Luís Payo.

Para o show em Londres o público pode esperar misturas sonoras inusitadas, que evoluem de acordes clássicos para combinações mais ousadas. Enfim, um espetáculo musical para quem já sente saudade da língua portuguesa – ou não quer nem chegar a sentir.

Quando
25 de maio, às 19:30pm

Onde

Barbican Hall
Silk Street
London, EC2Y 8DS

Quanto
A partir de £15
Para comprar o ingresso: aqui!